Quais os 6 fatores de risco e formas de prevenção do câncer colorretal?

Quais os 6 fatores de risco e formas de prevenção do câncer colorretal?

Ocâncer colorretalse manifesta através de tumores no intestino grosso, o qual se subdivide em reto e cólon. A doença se origina de pólipos nas paredes do reto e/ou cólon que lentamente aumentam de tamanho, resultando em câncer maligno.

No entanto, e felizmente, há formas de prevenção da doença por meio da identificação dos fatores de risco. Por esse motivo, é essencial compreender quais são eles e o que é necessário fazer para evitar o desenvolvimento da doença. Acompanhe, no texto a seguir, dicas para prevenir o câncer colorretal.

Fatores de risco

Estudos já comprovaram que há inúmeros fatores de risco que colaboram para o surgimento desse tipo de câncer colorretal. Alimentação com alto teor de gordura, dieta com poucas fibras e ingestão de embutidos, por exemplo, liberam substâncias cancerígenas no intestino. As principais causas são:

  • Tabaco e consumo de álcool.

Consumir essas substâncias habitualmente pode resultar no surgimento de vários tipos de câncer, como o de reto e cólon.

  • Histórico família de câncer intestinal.

Se parentes já apresentaram esse tipo de câncer, a probabilidade de seu desenvolvimento é maior.

  • Idade.

Quanto mais velha a pessoa for, maior é o risco. Isso porque esse tipo de câncer é mais comum a partir dos 50 anos.

  • Antecedentes pessoais de câncer.

Mulheres que já apresentaram câncer de mama, endométrio ou ovário têm mais chance de desenvolverem a doença.

  • Retocolite ulcerativa e Doença de Crohn.

Pessoas acometidas por um desses males que inflamam o intestino apresentam maior risco de desenvolvimento da doença.

  • Presença de pólipos.

Esses tumores que se desenvolvem nas paredes do reto e do cólon têm grande potencial de se tornarem malignos.

Sinais e sintomas

Há sinais e sintomas que indicam o surgimento desse tão temido câncer, sendo eles:

  • Sangramento ao evacuar.
  • Anemia sem motivo evidente.
  • Alterações intestinais, como mal funcionamento do intestino ou diarreia.
  • Cólicas abdominais ou gases.
  • Vontade frequente de evacuar mesmo depois de tê-lo feito.
  • Fraqueza intensa.
  • Emagrecimento sem causa aparente.
  • Fezes escuras e pastosas.
  • Dor na região do ânus.

Caso a pessoa apresente um ou mais desses sinais, é essencial a consulta a um médico especialista.

Formas de prevenção

Felizmente, há algumas atitudes que podem prevenir o desenvolvimento desse tipo de câncer. Em outras palavras, é importante adotar certos hábitos e, assim, evitar alguns dos fatores de risco:

  • Prática regular de exercícios físicos.

Praticar atividades físicas recorrentes reduz a chance de formação dos pólipos e, consequentemente, do câncer colorretal.

  • Não ingerir ou consumir pouca quantidade de bebidas alcoólicas.

Inúmeros estudos constataram que a ingestão de álcool eleva o risco desenvolvimento desse tipo de câncer.

  • Não fumar.

Definitivamente, o tabagismo é extremamente prejudicial e atua como fator de risco em diversas doenças.

  • Evitar o consumo exagerado de carne vermelha, alimentos com conservantes ou corantes sintéticos, embutidos e enlatados.

Limitar o consumo desses alimentos e incluir fibras, grãos integrais, vegetais e frutas na dieta é primordial. Além disso, a ingestão excessiva de carne vermelha e processada está associada com a doença.

  • Ter uma dieta rica em vitaminas E e C, magnésio e cálcio.

A suplementação diária desses componentes reduz o risco da doença.

  • Consultar um médico especialista regularmente.

O rastreamento é essencial para que se previna o câncer colorretal. Quando os pólipos são identificados logo no início, eles podem ser removidos antes que se transformem em câncer. Ademais, caso já estejam em estágio cancerígeno, o diagnóstico precoce possibilita um tratamento eficaz contra o câncer colorretal.

  • Reposição hormonal.

No caso das mulheres, ingerir progesterona e estrogênio depois da menopausa reduz o risco desse câncer colorretal. No entanto, é extremamente necessário que o consumo seja indicado por um profissional qualificado.

É essencial consultar regularmente seu médico especialista. Assim, você garante sua saúde e qualidade de vida! Para ler mais sobre temas como este acesse nosso blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *