Antes e Depois do Transplante

Antes e Depois do Transplante - Life Medicamentos - post 31 Implante blog

É comum que uma pessoa, ao se ver diante da necessidade de realizar um transplante de órgão, sinta receios e tenha dúvidas quanto ao sucesso do procedimento. O nervosismo surge e pode acabar por tornar o processo, que vai desde o pré-operacional, passa pela mesa de cirurgia e se prolonga no pós-transplante, uma verdadeira dor de cabeça.

É por isso que hoje vamos falar sobre as etapas que envolvem um transplante, seja ele qual for. Assim, é possível diminuir a ansiedade de quem precisa passar por esse processo tão delicado.

O que é o transplante?

O processo de transplante se faz necessário quando o órgão de uma pessoa deixa de funcionar ou não é capaz de exercer plenamente suas funções.

Nesses casos, é preciso realizar a substituição desse órgão prejudicado por um novo órgão que funcione perfeitamente.

Há, contudo, dois tipos de transplantes: o autólogo e o alogênico. O primeiro configura-se pela retirada de um tecido ou órgão do corpo do próprio paciente para ser realocado em outra parte do corpo. O segundo representa a retirada de um órgão de outra pessoa, a quem damos o nome de doadora, para ser implantado no receptor, ou paciente.

Antes do transplante

Uma das maiores preocupações que aflige quem está prestes a se submeter a um transplante é o medo da rejeição. Entretanto, há uma infinidade de verificações e testes que podem ser realizados para confirmar a compatibilidade de antígenos e de sangue. Essas verificações podem apontar se o risco da rejeição será alto ou baixo.

No entanto, mesmo após todos os procedimentos de segurança, o corpo do paciente pode apresentar rejeição ao órgão transplantado. É nesse momento que entram em cena os medicamentos que combatem a rejeição e auxiliam o corpo a lidar de forma menos traumática com essa mudança brusca.

Esses medicamentos podem tornar o transplante, processo que, por si só, já é deveras estressante, menos traumático para a vida do receptor. Dessa forma, é possível diminuir ou amenizar os efeitos que uma operação dessa magnitude pode ocasionar.

Depois do transplante

A vida de uma pessoa submetida a um transplante muda muito e pouco ao mesmo tempo. Isso significa que, após a operação, ela poderá levar uma vida normal, conviver com amigos e familiares, trabalhar, se divertir, enfim, manter toda a sua antiga rotina.

Porém, os cuidados com a saúde precisarão ser redobrados e sempre acompanhados de perto por um médico.

Dependendo do tipo de transplante realizado, o paciente pode apresentar alguns efeitos colaterais.

Além disso, o período pós-operacional será marcado por uma grande sensibilidade do corpo, fazendo com que o receptor esteja bem mais suscetível a infecções e outros tipos de problemas.

Vale lembrar ainda que cada organismo leva um tempo para se adequar ao novo órgão e recuperar seu pleno funcionamento. Por essas razões, a presença de um profissional se torna indispensável para que a recuperação do indivíduo seja efetiva.

Mas não é preciso se preocupar, pois esses cuidados específicos não duram mais do que algumas semanas e logo a vida segue seu caminho habitual.

Quer saber mais sobre o transplante de órgãos e outros assuntos relacionados à saúde? Acesse nosso blog e leia os conteúdos que disponibilizamos especialmente para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − doze =