Para que serve o Botulim?

Para que serve o Botulim? 1

Apesar de ser comumente conhecido por sua aplicação nos tratamentos estéticos e terapêuticos, a toxina botulínica, princípio ativo do medicamento Botulim, é o mais potente conhecido agente paralisante neuromuscular devido à sua eficácia de atuação.

Esclerose Múltipla

O sistema nervoso central, constituído pelo cérebro e medula espinhal, é responsável pela coordenação de todas as funções motoras e processos orgânicos internos do  corpo humano e, funciona comandado por uma central de controle que conduz os impulsos elétricos através de fibras nervosas, que são envoltas por uma camada isolante composta principalmente de mielina.

Quando as células de defesa do sistema imune do corpo reagem, atacando a camada de mielina, quando deveriam combater apenas corpos estranhos no corpo, surge a doença denominada Esclerose Múltipla, ocasionando a inflamação do sistema nervoso central de forma irreversível, retardando os impulsos e impossibilitando sua transmissão.

Esta doença causa uma série de sintomas neurológicos iniciais que incluem: alteração da visão; perda do funcionamento da bexiga; espasticidade; fadiga e, principalmente, distúrbios da coordenação motora.

Causas da Esclerose Múltipla

A causa daEsclerose Múltipla ainda é objeto de estudos científicos, que apontam que os surtos são provocados, na sua maioria, por estresse físico, emocional ou mesmo infecções, bem como a deficiência de vitamina D pode contribuir para o processo inflamatório.

A doença evolui através da ocorrência dos surtos, que são a frequência com que surgem os sintomas num determinado período de tempo, produzindo sequelas motoras como contrações e movimentos involuntários dos membros, causando dor, dificuldades de locomoção e movimentação.

Botulim no tratamento da Esclerose Múltipla

Autorizado inicialmente pela ANVISA para tratamentos de distonia, estrabismo, espasmo da pálpebra, dores de cabeça crônica e suor excessivo, o Botulimvem sendo utilizado no tratamento da Esclerose Múltiplanos casos em que a administração de medicamentos orais não surtiram efeito.

O Botulim age diminuindo a ocorrência do surto, podendo ocorrer até o seu completo desaparecimento. Deve, no entanto, ser indicado somente após avaliação médica que irá determinar a dose correta, sendo que o paciente pode receber doses diversas em aplicações diferentes.

A toxina botulínica atua diretamente nas junções neuromusculares, dificultando a transmissão do estímulo nervoso que produz a contração muscular e, consequentemente, produzindo o relaxamento da musculatura, o que geralmente ocorre após 6h da primeira injeção.

A aplicação do Botulim é feita de modo injetável diretamente no músculo afetado, com seringa ou agulha, diluída em soro fisiológico a 0,9% e de acordo com a prescrição médica, sendo dispensado o uso de anestesia. Os frascos e seringas com resíduos do medicamento devem ser descartados imediatamente após sua utilização.

Para que se obtenham resultados positivos com a aplicação do Botulim e com menos reações adversas possíveis, a aplicação no paciente deve ocorrer em todos os músculos afetados em uma mesma sessão e, o intervalo entre uma sessão e outra deve ocorrer num período de 3 meses, a fim de que o corpo não crie anticorpos contra a toxina botulínica.

É recomendável, após o início das sessões de aplicação do Botulim, a realização de sessões de fisioterapia para que o músculo capte a toxina de forma mais completa e ocorra com mais eficácia a reeducação dos movimentos.

Efeitos adversos da aplicação do Botulim

Os efeitos adversos da aplicação do Botulim são pouco severos e os sintomas são bem semelhantes aos de gripe, como fadiga. Na maioria dos casos, o procedimento é doloroso somente pela introdução da agulha no músculo, podendo surgir hematomas e edemas no local da aplicação. 

Já os efeitos adversos considerados de rara incidência são dores no local da injeção, arritmia, erupção cutânea, prurido e reação alérgica.  Pode ocorrer, ainda que raramente, da toxina difundir-se  além do músculo e causar leve paralisia e de curta duração nos músculos próximos daquele afetado, porém isso somente é possível quando há a aplicação de forma incorreta.

Não é aconselhável a aplicação do medicamento em menores de 2 anos de idade e também diabéticos, por conter na sua composição certa dose de açúcar.  Gestantes e lactantes somente devem receber aplicação da toxina botulínica se os potenciais benefícios justificarem o risco potencial para o feto e o bebê, casos em que será prescrito somente pelo médico.

O tratamento com Botulim não é indicado para pacientes com infecções, insuficiências cardíaca, respiratória, hepática e renal, bem como com inflamações ativas (sinusites, pneumonias, alergias). 

CLIQUE AQUI e acesse a bula do Botulim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 15 =