Compre pelo WhatsApp

Como o Coronavírus é transmitido?

Se tem uma palavra que ficou bastante famosa nas últimas semanas e o nome de uma doença que está se espalhando rapidamente por todo o mundo: o Coronavírus, conhecida no mundo científico também por COVID-19. O agente da doença, ou seja, o vírus foi descoberto na China no último dia do ano de 2019, porém, ele já existe há algum tempo.

Os primeiros vírus foram isolados em 1937, encontrados em seres humanos, mas foi apenas em 1965 que ele foi descrito com o Coronavírus tal como o conhecemos hoje. O nome foi dado por causa do seu formato parecido com o de uma coroa.

A verdade é que é bastante comum a infecção pelo Coronavírus, isso porque existem diversos tipos como Alpha coronavírus 229E e NL63, Beta coronavírus OC43 e HKU1, SARS-CoV (causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave ou SARS) e MERS-CoV (causador da Síndrome Respiratória do Oriente Médio ou MERS). 

Os vírus são seres que sofrem mutação rapidamente e, por isso, é tão difícil encontrar uma vacina ou um tratamento. Quando isso acontece, ele já se modificou e a vacina não serve mais. Portanto, você já pode ter se infectado, mas não o que tipo que está causando a epidemia em 2020.

Vamos agora saber um pouco mais sobre o Coronavírus e conferir informações verdadeiras sobre a patologia, como ele é transmitido e de que forma podemos reduzir as chances de contágio.

Há casos confirmados de Coronavírus no Brasil?

No Brasil, há no momento, 3 casos confirmados de Coronavírus e 531 ainda são suspeitos. Porém, uma situação bastante atípica ocorreu em uma adolescente de São Paulo: o teste deu positivo para o vírus, mas não preenche todos os requisitos para ser considerado um caso da doença. Para ser considerado um caso, seria necessário além do teste positivo, febre associada a um sintoma respiratório. De todos os casos suspeitos que já apareceram por aqui, 315 foram descartados.

A África do Sul foi mais um país que confirmou o primeiro caso de Covid-19 esta semana e a Califórnia declarou estado de emergência. De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde) os casos registrados no mundo chegam a quase 91 mil  e já tem mais de 3 mil mortes. 

A boa notícia é: o que poderia virar uma pandemia, já está sendo controlada. Os casos na China, por exemplo, o local de início, já vêm caindo. Nas últimas 24 horas (do dia 02 a 03 de março), foi registrado o menor número desde o dia 20 de janeiro: 124 casos confirmados.

Quando um caso é considerado suspeito?

Pessoas que vieram de outros países, especialmente da China e de outros onde há muitos casos, são consideradas suspeitas. Mas só isso não basta, é preciso combinar outras duas características como febre (acima de 37,8°) e algum problema do sistema respiratório como tosse, congestão nasal, escarro, dificuldade para respirar, entre outros. A pessoa também pode ser suspeita se esteve em contato com pessoas com esses sinais e sintomas ou em locais com focos de transmissão nos últimos 14 dias.

Aliás, 14 dias é justamente o tempo de incubação do vírus, na verdade, pode variar de 2 a 14 dias. Isso quer dizer que, quem tem o vírus leva esse tempo para apresentar os primeiros sinais e sintomas. O caso só é confirmado se existem esses sinais e sintomas — em alguns casos a febre pode não aparecer — e se o teste dá positivo.

Como o vírus é transmitido?

Ainda não se sabe ao certo quais são todas as formas de transmissão, mas o contato ou a proximidade é uma delas. Por exemplo, se você fica próximo de alguém que possui o vírus, pode ser contaminado e desenvolver a doença. Um simples aperto de mão pode transmitir a doença e ainda que não haja contato físico, pode acontecer. Quando alguém contaminado espirra ou tosse, por exemplo, ele está espalhando os vírus no ar do ambiente no qual se encontra.

Como é feito o tratamento?

Ainda não há uma medicação ou algum tipo de tratamento que promova a cura de acordo com a OMS. O que está sendo feito no momento é o tratamento dos sintomas, do mesmo jeito que acontece, por exemplo, com a Dengue. A pessoa deve ser hospitalizada para ter os cuidados médicos necessários e ser medicada para baixar a febre, reduzir a produção de muco, entre outros.

Como se prevenir?

É claro que o melhor é sempre a prevenção e você pode fazer isso facilmente. Primeiro, você deve baixar o app criado pelo Ministério da Saúde sobre o assunto. Lá você conta com diversas informações como:

  • formas de prevenção;
  • o que fazer no caso de suspeita;
  • um mapa com a localização de unidades de saúde mais próximas;
  • os principais sinais e sintomas;
  • notícias oficiais do Ministério sobre o vírus.

A principal arma agora é a informação. Evite abrir notícias divulgadas em redes sociais e prefira sempre os órgãos oficiais como o site do Ministério da Saúde, OMS, Fiocruz e de empresas de comunicação que já possuem credibilidade no mercado.

Existem também algumas ótimas maneiras de se prevenir e assim reduzir a possibilidade de contrair a doença e propagar ainda mais o vírus. Confira algumas abaixo.

Lave bem as mãos

Lavar as mãos é algo tão simples e ao mesmo tempo tão poderoso porque consegue evitar a transmissão de inúmeras doenças, inclusive o Coronavírus. Lave as mãos com água e sabão e depois uso álcool gel 70%. Inclusive, nos últimos dias, rolou na internet uma fake news informando que esse álcool não mata o vírus, algo que, obviamente, é uma grande mentira.

Cubra o nariz e a boca ao espirrar ou tossir

Quando tossimos ou espirramos, espalhamos milhares de gotículas de água que ficam no aparelho respiratório e nessas gotículas estão os vírus. Portanto, sempre cubra a boca e o nariz nesses momentos.

Evite aglomerações

Não temos como saber quem está ou não contaminado, então a melhor opção é evitar ambientes com muita gente. Shows, festas, praias e outros, especialmente se forem locais fechados como cinemas e teatros.

Além dessas dicas, você não deve manter as janelas abertas, assim, o vírus não fica concentrado em um ambiente, infectando outras pessoas e também não deve compartilhar objetos. Afinal de contas, é uma forma de transmissão por contato, ainda que indireto.

Quer mais informações para cuidar melhor da sua saúde? Então, assine a nossa newsletter!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *