Artrodar

Artrodar, para o que é indicado e para o que serve?

Artrodar é um medicamento destinado ao tratamento da osteoartrite (artrose e afecções articulares do tipo degenerativo).

Como Artrodar funciona?

Artrodar estimula a produção de componentes da cartilagem, além de bloquear os principais mediadores da resposta inflamatória envolvidos na degradação dessa estrutura. Essas propriedades lhe conferem atividades antiosteoartrósicas e, moderadamente, analgésica, anti-inflamatória e antipirética. Sua eficácia é observada após 2 a 4 semanas de uso, dependendo da gravidade da doença. Seus resultados persistem por cerca de 2 a 3 meses após a finalização de um ciclo de tratamento de 6 meses.

Quais as contraindicações do Artrodar?

Você não deve tomar Artrodar se tiver hipersensibilidade (alergia) à diacereína ou a qualquer outro componente da fórmula. O tratamento com Artrodar não é recomendado para uma forma específica de osteoartrite de quadril chamada “osteoartrite de quadril rapidamente progressiva”. Pacientes com essa forma da doença podem se beneficiar menos com este tratamento. Apesar de não terem sido detectados efeitos teratogênicos em animais, não é aconselhável usar o produto durante a gravidez e lactação. Artrodar é contraindicado se você tem ou já teve doenças no fígado. Também não deve ser utilizado em casos de doenças intestinais inflamatórias (colites ulcerativas, Doença de Crohn), pseudo-obstrução ou obstrução intestinal e síndromes abdominais dolorosas de causas não determinadas. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Como usar o Artrodar?

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado. Você deve tomar as cápsulas inteiras. Para tanto, providencie um copo com água e, antes de utilizar o medicamento, tome um gole. Em seguida, introduza a cápsula na boca e, com o auxilio da água restante no copo, engula a cápsula, sem parti-la ou mastigá-la. Dessa forma, sua administração será mais confortável e segura. Usar uma a duas cápsulas (50 a 100 mg) de Artrodar ao dia, durante as refeições. Recomenda-se a dose de uma cápsula (50 mg) por dia, nas primeiras 2 semanas de tratamento. Após esse período, usar 1 cápsula duas vezes ao dia, durante período não inferior a 06 (seis) meses. Segundo critério médico, o tratamento poderá se estender por ciclos mais longos. Seus efeitos benéficos manifestam-se de 2 a 4 semanas após o início do tratamento, podendo ser necessário, neste período, o emprego de fármacos analgésicos e anti-inflamatórios. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar Artrodar?

Você pode tomar a dose deste medicamento assim que se lembrar, mas não exceda a dose recomendada para cada dia, conforme prescrição médica. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Quais cuidados devo ter ao usar o Artrodar?

Você não deve tomar mais do que a dose recomendada (superdose), pois pode causar problemas a sua saúde. A ingestão deste medicamento junto com alimentos pode melhorar sua absorção. Por esse motivo, é importante utilizá-lo durante as principais refeições, conforme orientação médica. Você deve consultar seu médico se a dor ou outros sintomas da artrose continuarem ou piorarem após 4 semanas de tratamento. O medicamento pode alterar a coloração da urina, para amarelo-intenso ou tonalidade avermelhada, porém sem significado para a saúde do paciente. Apesar desse fato, a mudança de coloração pode mascarar doenças no aparelho urinário relacionadas a outras causas. Se houver suspeita desse tipo, consulte seu médico. Se surgirem novos sintomas, ou se notar vermelhidão ou edema (inchaço), você deve consultar seu médico, pois estes sintomas podem ser sinais de reações alérgicas. Caso ocorra diarreia intensa, interrompa o tratamento e procure seu médico. Em paciente com insuficiência renal severa, a dose diária deve ser equivalente à metade da dose recomendada. Relatos de danos hepáticos associados ao uso de diacereína são considerados muito raros. No caso de ocorrência de fadiga, perda do apetite, coloração amarelada da pele, dor abdominal, náusea, vômito, coloração pálida das fezes associada à coloração escura da urina, é aconselhável interromper o tratamento e informar seu médico. Antes de iniciar o tratamento, informe seu médico se você sofre de doenças no fígado. Este medicamento contém Lactose. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento de seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Artrodar?

Este medicamento pode causar algumas reações desagradáveis inesperadas. Caso você tenha uma reação alérgica, deve parar de tomar o medicamento. Ocasionalmente, podem ocorrer as seguintes reações adversas:

Reações muito comuns (ocorrem em mais de 10% dos pacientes):

Diarreia, dor abdominal e alteração da coloração da urina (amarelo-intenso ou tonalidade avermelhada), porém sem significado clínico.

Reações comuns (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes):

Aumento do trânsito intestinal, flatulência, coceira, vermelhidão ou irritação na pele.

Reações incomuns (ocorrem entre 0,1% e 1% dos pacientes):

Aumento dos níveis das enzimas hepáticas nos testes laboratoriais.

Reações muito raras (ocorrem em menos de 0,01% dos pacientes):

Em experiência pós-comercialização, foram relatados casos isolados pigmentação do cólon e do reto (regiões do intestino) e reações hepáticas. Normalmente os eventos gastrointestinais diminuem com a continuação do tratamento. Caso ocorra diarreia intensa, recomenda-se a imediata interrupção do tratamento, principalmente em casos de pacientes com mais de 65 anos de idade. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

Qual a composição do Artrodar?

Cada cápsula contém:

Diacereína 50 mg
Excipientes: lactose e estearato de magnésio.

Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Artrodar maior do que a recomendada?

Se você tomar uma dose muito grande deste medicamento acidentalmente, deve procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente. O apoio médico imediato é fundamental, mesmo se os sinais e sintomas de intoxicação não estiverem presentes. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001,se você precisar de mais orientações.

Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Artrodar com outros remédios?

Dada à natureza antraquinônica da Diacereina (substância ativa) não deve ser ingerido simultaneamente com laxantes. Em casos extremos, a administração deverá ser efetuada com máxima prudência, sob controle médico direto. A administração simultânea de Diacereina (substância ativa) com cimetidina ou paracetamol não resultou em qualquer interação. O uso de diacereína com produtos contendo hidróxidos de alumínio ou de magnésio (ex. antiácidos) pode diminuir sua absorção. Sendo assim, recomenda-se intervalo de, no mínimo, 2 horas entre a administração desses medicamentos. Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Artrodar.

Interação alimentícia: posso usar o Artrodar com alimentos?

A ingestão deste medicamento junto com alimentos pode melhorar sua absorção. Por esse motivo, é importante utilizá-lo durante as principais refeições, conforme orientação médica. Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Artrodar.

Qual a ação da substância do Artrodar (Diacereina)?

Resultados de Eficácia

Bartels e equipe (2010) avaliaram a eficácia e a segurança da Diacereina (substância ativa) no tratamento da osteoartrite. Esses autores realizaram meta-análise de estudos clínicos controlados e randomizados e verificaram que a Diacereina (substância ativa) constitui uma alternativa interessante para terapia da osteoartrite, principalmente nos casos em que o uso de paracetamol ou anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs) não é recomendado ou, ainda, em pacientes com alto risco de sangramento gastrointestinal e doenças cardiovasculares. Pavelka e colaboradores (2007) avaliaram a eficácia, segurança e duração do efeito residual da Diacereina (substância ativa) (50 mg duas vezes ao dia) durante o tratamento por 3 meses, em estudo randomizado, multicêntrico, duplo-cego e controlado por placebo. Cento e sessenta e oito pacientes com osteoartrite de joelho foram randomizados e tratados com Diacereina (substância ativa) ou placebo durante 3 meses, seguidos por mesmo período sem tratamento. Esses pacientes foram acompanhados durante 6 meses para determinar o efeito residual do medicamento após a farmacoterapia. Foi verificada melhora significativa no grupo tratado com Diacereina (substância ativa) quando comparado ao placebo, com reduções significantes na dor (WOMAC A) a partir da 8ª semana e no Índice WOMA C total a partir da 4ª semana. Uma tendência similar foi constatada em relação à função física (WOMAC C) e hipersensibilidade ao toque. No 5º mês, a Diacereina (substância ativa) demonstrou significante superioridade quando comparada ao placebo nos índices WOMAC A e WOMAC total, demonstrando a persistência da eficácia do fármaco após o período de tratamento. Os índices de rigidez articular (WOMAC B) e o consumo de paracetamol foram similares nos dois grupos. Contudo, após a 16ª semana (período sem tratamento), esses parâmetros foram significativamente menores no grupo tratado com Diacereina (substância ativa). Os julgamentos da eficácia global pelos pacientes e investigadores foram favoráveis à Diacereina (substância ativa) a partir da 12ª semana. Apesar da maior incidência de diarreia e amolecimento fecal com o uso do fármaco, quando comparado ao placebo, a diferença não foi estatisticamente significante. Os resultados indicaram que a Diacereina (substância ativa) é bem tolerada e eficaz no tratamento da osteoartrite de joelho, apresentando eficácia residual prolongada durante 2 meses após a interrupção do tratamento. Estudo randomizado, duplo-cego e controlado por AINEs realizado por Louthrenoo e colaboradores (2007) avaliou a eficácia, a segurança e o efeito residual da Diacereina (substância ativa) em comparação ao piroxicam, no tratamento de pacientes com osteoartrite de joelho. Os pacientes receberam Diacereina (substância ativa) (100 mg/dia) ou piroxicam (20 mg/dia), administrados por via oral durante 16 semanas. Os resultados demonstraram que, na 16ª semana, houve diminuição significativa da dor em ambos os grupos (Diacereina (substância ativa): -69,7±31,5%; piroxicam: -74,1±26,2%). Em relação à descontinuação do tratamento, nas 20ª e 24ª semanas ocorreu aumento significante da dor nos pacientes tratados com piroxicam (-47±47,8% e -26,8±60,6%, respectivamente), enquanto que a melhora deste parâmetro persistiu a favor da Diacereina (substância ativa) (-66,9±35,9% e -69,5±33,7%, respectivamente), demonstrando seu efeito residual após interrupção do tratamento. A incidência de eventos adversos foi similar em ambos os grupos, mas um número maior de pacientes tratados com piroxicam abandonou o estudo devido a estes eventos. As reações adversas mais comuns no grupo tratado com Diacereina (substância ativa) consistiram em alterações na coloração da urina, diarréia e distúrbios na motilidade do intestino, enquanto que dispepsia e edema comumente apareceram nas pessoas tratadas com piroxicam. Análises laboratoriais de sangue e urina não revelaram qualquer anormalidade nos dois grupos. Deste modo, os dados confirmaram que a Diacereina (substância ativa) foi tão efetiva quanto o piroxicam na redução da dor e na melhora funcional dos pacientes. Contudo, foi a única que exibiu efeito residual benéfico após suspensão do uso, além de apresentar melhor perfil de segurança. Rintelen e colaboradores (2006) realizaram meta-análise em que foram avaliados estudos clínicos controlados e randomizados, relacionados à eficácia e segurança do uso de Diacereina (substância ativa) no tratamento dos sintomas da osteoartrite. Foram escolhidos estudos realizados em pacientes com osteoartrite de joelho e/ou quadril. Os resultados relacionaram 23 estudos, sendo que 19 destes foram incluídos na meta-análise, o que totalizou 2637 pacientes (1328 pacientes tratados com Diacereina (substância ativa) e 1309 pacientes em grupos comparativos). O efeito do uso de Diacereina (substância ativa) mostrou-se significativamente superior àquele proporcionado pelo placebo durante o período de tratamento. A Diacereina (substância ativa) e os AINEs apresentaram eficácia semelhante. Contudo, a Diacereina (substância ativa) demonstrou ação prolongada, persistindo por um período de até três meses após o tratamento, com significante efeito analgésico. O uso de AINEs revelou resultar em eventos adversos mais graves, enquanto as reações adversas relacionadas ao uso de Diacereina (substância ativa) foram amolecimento fecal, diarréia leve a moderada, dores abdominais, escurecimento da coloração da urina e, em alguns casos, pruridos e erupções cutâneas. A diarréia normalmente aparecia no início do tratamento e desaparecia no decorrer deste. Os dados obtidos forneceram evidências da eficácia da Diacereina (substância ativa) no tratamento sintomático da osteoartrite de joelho e quadril, com efeito prolongado e tolerabilidade aceitável. O estudo ECHODIAH, publicado por Dougados e colaboradores (2001), objetivou avaliar os efeitos modificadores estruturais da Diacereina (substância ativa) em humanos e sua capacidade de retardar a diminuição progressiva da largura do espaço articular observada em pacientes com osteoartrite de quadril durante 3 anos. Um total de 507 pacientes com OA primária de quadril foi avaliado neste estudo duplo-cego, multicêntrico, randomizado e controlado por placebo. Os pacientes receberam tratamento por 3 anos com Diacereina (substância ativa) 50mg ou placebo, administrados duas vezes ao dia. Os resultados indicaram que os valores médios da taxa anual de estreitamento do espaço articular foram significativamente menores no grupo tratado com Diacereina (substância ativa), quando comparados ao grupo placebo. Esses valores sugeriram que a progressão anual era estável no grupo placebo, enquanto diminuiu progressivamente no grupo Diacereina (substância ativa), quando comparado com o início do estudo. O tratamento com a Diacereina (substância ativa) demonstrou um efeito poupador da cartilagem de 32%. Durante os 3 anos do estudo e 3 meses de acompanhamento, também foi demonstrado que a necessidade para a artroplastia total do quadril foi menor no grupo Diacereina (substância ativa) (14,5%), quando comparado ao grupo placebo (19,8%). A maioria das reações adversas relacionadas à Diacereina (substância ativa) foi de intensidade leve ou moderada, sendo que distúrbios gastrointestinais (diarréia e dispepsia) foram os mais frequentes. Também observou-se alteração da coloração da urina e distúrbios dermatológicos (prurido, eczema e rash). Não foram relatados óbitos, eventos adversos inesperados ou ulceração gastroduodenal nos grupos estudados. Também não foi observada nenhuma diferença clinicamente relevante nos sinais vitais e exames laboratoriais (sangue e urina) dos grupos que receberam Diacereina (substância ativa) e placebo. A avaliação de tolerabilidade foi pontuada como “boa ou excelente” por 81-93% dos pacientes que receberam Diacereina (substância ativa) e por 95-99% dos que receberam placebo. Baseado no exposto, o tratamento com Diacereina (substância ativa) retardou a diminuição progressiva da largura do espaço articular, apresentando significativo efeito modificador estrutural em pacientes com osteoartrite de quadril ,quando comparado ao placebo. Além disso, demonstrou bom perfil de segurança após o tratamento contínuo por 3 anos. Lequesne e equipe (1998) realizaram um estudo randomizado, multicêntrico e duplo-cego, comparando a Diacereina (substância ativa) com placebo. O estudo objetivou determinar se a Diacereina (substância ativa), devido ao início lento de sua ação, poderia ser associada com AINEs durante um período inicial de tratamento, e se a Diacereina (substância ativa) seria capaz de manter a redução da dor sem a necessidade de uso concomitante de AINEs. Paralelamente, este estudo buscou confirmar uma prática clínica rotineira na França, onde os médicos prescrevem AINEs com Diacereina (substância ativa) nos 2 primeiros meses de tratamento. Pacientes com OA de joelho ou de quadril (n=183) receberam Diacereina (substância ativa) (100 mg/dia) ou placebo por 6 meses. Os pacientes foram acompanhados por 8 meses para que os efeitos terapêuticos residuais pudessem ser avaliados. Nos 2 primeiros meses, todos os pacientes receberam 100 mg/dia de diclofenaco. Para avaliar a duração do efeito terapêutico, todos pacientes foram acompanhados por mais 2 meses após o término do tratamento. Entre o 3º e 8º mês foi administrado AINEs apenas quando necessário, sendo o seu consumo monitorado. Os resultados relativos ao critério primário de eficácia (dor na realização das atividades diárias) foram significativamente melhores em pacientes tratados com Diacereina (substância ativa) quando comparado ao grupo placebo no mês 4 (p=0,024) e 6 (p=0,0046) . Uma diferença significativa entre os grupos persistiu até o 8º mês (p=0,0069), indicando que os efeitos benéficos da Diacereina (substância ativa) persistem por pelo menos 2 meses após a interrupção do tratamento. No grupo de pacientes tratados com Diacereina (substância ativa), 41,1% dos pacientes foram considerados responsivos ao tratamento, com melhora de pelo menos 30% na dor e na função, quando comparado ao grupo placebo (p=0,018). O consumo de AINEs foi significativamente menor no grupo Diacereina (substância ativa) quando comparado ao grupo placebo nos meses 4 e 6, com uma redução de 26,6% com relação ao placebo (p=0,041). A incidência de surtos de agudização, que foi correlacionada com a progressão da doença, também foi significativamente menor no grupo Diacereina (substância ativa) no mês 4 (p=0,041). O julgamento da eficácia global pelos pacientes mostrou tendência favorável à Diacereina (substância ativa) no mês 6 (p=0,07) sendo significativo no mês 8 (p=0,003). O julgamento dos pesquisadores foi favorável ao grupo Diacereina (substância ativa) no mês 6 (p=0,03) e 8 (p=0,004). Os autores concluíram que a Diacereina (substância ativa) foi significativamente superior ao placebo na melhora da dor nos 4 meses após a fase de tratamento com AINEs e também durante os 2 últimos meses sem tratamento, indicando o efeito residual significativo desta quando comparada ao placebo. Além disso, a Diacereina (substância ativa) reduziu significantemente a incidência de surtos de agudização e o consumo de AINEs quando comparada ao placebo. Os eventos adversos no grupo Diacereina (substância ativa) incluíram amolecimento fecal, diarreia e dores abdominais, o que resultou na interrupção prematura do tratamento de apenas 15% dos pacientes. Estes efeitos foram incomuns no restante dos pacientes e a incidência destes reduziu ao longo do tempo. Referências Bibliográficas Bartels, E.M.; Bliddal, H.; Schondorff, P.K.; Altman, R.D.; Zhang, W.; Christense, R. Symptomatic efficacy and safety of diacerein in the treatment of osteoarthritis: a meta-analysis of randomized placebo-controlled trials.Osteoarthritis Cartilage, v. 18(3), p. 289-96, 2010. Dougados, M; Nguyen, M.; Berdah, L.; Maziéres, B.; Vignon, E.; Lequesne, M. Evaluation of the structure-modifying effects of diacerein in hip osteoarthritis: ECHODIAH, a three-year, placebo-controlled trial. Evaluation of the Chondromodulating Effect of Diacerein in OA of the Hip. Arthritis Rheum, v. 44(11), p. 2539-47, 2001. Rintelen, B.; Neumann, K.; Leeb, B.F. A meta-analysis of controlled clinical studies with diacerein in the treatment of osteoarthritis." Arch Intern Med 166(17): 1899-906, 2006. Lequesne, M.; Berdah, L.; Gérentes, I. [Efficacy and tolerance of diacerhein in the treatment of gonarthrosis and coxarthrosis]. Rev Prat, v. 48(17 Suppl), p. S31-5, 1998. Louthrenoo, W.; Nilganuwong, S.; Aksaranugraha, S.; Asavatanabodee, P.; Saengnipanthkul, S.; Thai Study Group. The efficacy, safety and carry-over effect of diacerein in the treatment of painful knee osteoarthritis: a randomised, double-blind, NSAIDcontrolled study. Osteoarthritis Cartilage, v. 15(6), p. 605-14, 2007. Pavelka, K.; Trc, T.; Karpas, K.; Vi Tek, P.; Sedlackova, M.; Vlasakova, V.; Bohmova, J.; Rovensky, J. The efficacy and safety of diacerein in the treatment of painful osteoarthritis of the knee: A randomized, multicenter, double-blind, placebo-controlled study with primary end points at two months after the end of a three-month treatment period. Arthritis Rheum, v. 56(12), p. 4055-4064, 2007. Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Artrodar.

Caracterìsticas Farmacológicas

Estudos experimentais provaram que a Diacereina (substância ativa) possui propriedades anti-osteoartrosicas e, moderadamente, atividades analgésica, antiinflamatória e antipirética. Diacereina (substância ativa) mostrou inibir a síntese de citócinos pró-inflamatórios, tais como a interleucina 1 (IL-1), e a síntese de proteases e radicais livres de oxigênio, todos envolvidos no processo de degradação cartilaginosa. Além disso, estudos recentes indicaram que a Diacereina (substância ativa) estimula a produção de componentes da matriz cartilaginosa (colágeno e proteoglicanos). Ao contrário dos fármacos antiinflamatórios não esteroidais (AINEs), Diacereina (substância ativa) não inibe a síntese de prostaglandinas, tromboxanos ou leucotrienos, constituindo-se uma vantagem, do ponto de vista de tolerância gástrica. A atividade terapêutica do fármaco é direta, ao inibir a patogênese do processo artrósico. Nos modelos animais de osteoartrose, a Diacereina (substância ativa) decresceu a incidência e severidade das lesões teciduais da cartilagem, ossos e membrana sinovial. A administração do fármaco em cobaias, bloqueou o edema, o granuloma, a febre e a dor. A ação de Diacereina (substância ativa) é, portanto, realçada na quelação de alguns íons e no poder inibidor sobre proteases lisossomiais. Foram realizados estudos de toxicidade aguda em ratos, camundongos (DL 50% oral > 2000 mg/kg) e cães (DL 50% oral > 1000 mg/kg). Para toxicidade subaguda e crônica, utilizaram-se doses entre 5,0 a 500 mg/kg/dia (cerca de 250 vezes superiores a indicada para o homem); o único efeito secundário observado foi a ocorrência de amolecimento fecal, nas doses mais elevadas. Diacereina (substância ativa) mostrou, também, ser desprovido de ação teratogênica em ratos e coelhos e de efeitos sobre a fertilidade masculina e feminina e toxicidade peri e pós-natal em ratos. Estudos com duração de 02 anos, conduzidos em ratos e camundongos, não produziram evidência alguma sobre o potencial carcinogênico do medicamento. Em seguida à administração oral, a Diacereina (substância ativa) é prontamente desacetilada à reína, considerada o metabólito ativo. O pico plasmático após uma única dose de 50 mg, ocorre em 2,5 horas e a Cmax é cerca de 3 mg/L. Quando Diacereina (substância ativa) é ingerido com as refeições, sua biodisponibilidade aumenta em 25% (aprox.), enquanto a absorção é retardada. A droga possui elevada ligação com proteínas plasmáticas (99%), principalmente, pela albumina. A via de excreção principal do medicamento é a urinária, sob forma de derivados sulfo e glicurônicos conjugados. A meia-vida de eliminação é de 4,5 horas. Após administração sucessiva (2 x 50 mg / dia) ocorre um ligeiro acúmulo. Em pacientes com insuficiência renal severa (clearance da creatinina inferior a 30 ml/min), os valores da biodisponibilidade e meia-vida de eliminação são duplicados, enquanto a excreção urinária reduz-se à metade. Em tais casos, a posologia deverá ser 50 mg/dia. Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Artrodar.

Como devo armazenar o Artrodar?

Você deve conservar Artrodar em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da luz e da umidade. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Apresentação

As cápsulas de Artrodar são de cor azul e apresentam o logotipo da empresa impresso em sua superfície. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Mensagens de Alerta do Artrodar

Este medicamento contém Lactose. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento de seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças. Venda sob prescrição médica.

Dizeres Legais do Artrodar

Reg. MS n° 1.0341.0052.002-2 Farmacêutico responsável: Dawerson Rodrigues CRF-SP 12370 TRB Pharma Indústria Química e Farmacêutica Ltda Rua Hildebrando Siqueira, 149 - Americanópolis São Paulo – SP – CEP 04334-150 Fone: (55-11) 5588-2500 – Fax: (55–11) 5588-1339 CNPJ: 61.455.192/0002-04 Indústria Brasileira